Como diminuir os riscos de câncer por obesidade?

Ao contrário do que muitos pensam, a obesidade é um dos principais causadores de câncer, ficando atrás apenas do cigarro. Estudos relacionam a obesidade com pelo menos 13 tipos de câncer, como: esôfago (adenocarcinoma), estômago (cárdia), pâncreas, vesícula biliar, fígado, intestino (cólon e reto), rins, mama (mulheres na pós-menopausa), ovário, endométrio, meningioma, tireoide e mieloma múltiplo.

Análises de pesquisas recentes da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC), da Organização Mundial da Saúde (OMS), apontam que o efeito do sobrepeso e da obesidade na incidência de câncer é pelo menos o dobro do que previsto anteriormente. O relatório ainda estima que 6% de todas as variantes da doença em países desenvolvidos é causada pelo excesso de gordura corporal.

Como diminuir os riscos de câncer por obesidade - LifeLev

Obesidade e seus efeitos

Para entender esse efeito é preciso entender primeiro o que é a obesidade e seus efeitos imediatos no corpo. Segundo pesquisadores, o excesso de gordura corporal provoca um estado de inflamação crônica e um aumento nos níveis de alguns hormônios. Estes acabam promovendo o crescimento das demais células, inclusive das cancerígenas, aumentando a possibilidade de desenvolvimento da doença.

Uma pesquisa inédita, divulgada pelo INCA no último dia 05, revelou que dos 3,5 bilhões de reais gastos pelo governo federal com o tratamento de câncer, em 2018, 1,4 bi foram usados com cânceres associados ao excesso de peso. Dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Ministério da Saúde evidenciaram a problemática que apresentou um salto nos últimos 17 anos. O número de pessoas obesas entre 2002 e 2003 era de 12,2%, e chegou a 26,8%, em 2019. No mesmo período, os adultos com excesso de peso passaram de 43,3% para 61,7%. A preocupação se estende também aos jovens, um em cada cinco adolescentes entre 15 e 17 anos apresentam excesso de peso, e cerca de um terço das pessoas de 18 a 24 anos, são obesas.

No Brasil, a obesidade está diretamente relacionada à transição alimentar em curso no país, assim como em muitos outros. Os brasileiros estão trocando os alimentos frescos e suas formas tradicionais para os alimentos processados, que na maioria das vezes têm menor preço e praticidade no preparo. Outro fator relevante é o predomínio do sedentarismo. 

Um artigo publicado em 2017 por duas médicas do INCA alertaram sobre esses riscos e compararam a obesidade com o tabagismo, os dois maiores causadores de câncer. O artigo afirma que assim como o país passou a adotar campanhas antitabagismo no fim da década de 80, deveria fazer o mesmo com o problema do sobrepeso. O reforço das autoridades brasileiras teria reduzido um terço do índice de fumantes na população entre 1989 e 2015. 

O instituto propõe o aumento da tributação de bebidas açucaradas e adoçadas, restrição da publicidade e da promoção dirigidas ao público infantil e da oferta de alimentos e bebidas ultraprocessados nas escolas, como já ocorre em algumas cidades, como medidas a fim de frear a obesidade.

 

Mas então como diminuir os riscos de câncer por obesidade?


Há poucos estudos que associam a perda de peso com mudança no estilo de vida e o risco de câncer, devido a dificuldade dos pacientes em conseguir manter a perda de peso a longo prazo somente com tratamento clínico. Assim, muitos pacientes acabam optando pela cirurgia bariátrica a fim de perder peso. Estudos embasam essa escolha, associando a cirurgia com a diminuição do risco de câncer. Conheça nosso médico que está disposto e apto a atender suas necessidades. 

Na Suécia, um estudo observou uma queda de 40% nas mortes por câncer em um grupo de 2.020 pacientes que realizaram a bariátrica, comparados a outros 2.037 pacientes obesos. Outro estudo, comparou 6.596 pacientes operados com 9.442 obesos não operados e uma nova queda foi observada, desta vez de 24% nas mortes por câncer em um período de 12 anos e meio. Ilustrando mais ainda a situação, uma terceira pesquisa apontou uma queda de 46% em mortalidade geral por câncer no grupo que realizou a gastroplastia, comparando com obesos não operados. 

Ficou interessado no assunto? Conheça os procedimentos disponíveis na Lifelev e agende uma consulta no botão abaixo!

Deixe um Comentário